sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

este blogue vem por este meio associar-se à petição contra o aborto, o casamento gay e a reprodução artificial

Venho por este meio associar-me aos ilustres Bagão Felix, Gentil Martins, João César das Neves, Manuel Braga da Cruz e Rui Gomes da Silva e a milhares de portugueses na missão de  Defender o Futuro. É essencial fazer  «alterações legislativas que coloquem e reconheçam a família como fundamento da organização social na promoção da responsabilidade pessoal, solidariedade intergeracional e fomento da economia» e evitar a «corrosão do tecido social do país».

Aproveito também para dar os parabéns por conjugarem numa só prática petição todos estes pecados e outros, obrigando os seus signatários a uma coerência ética irrepreensível e infelizmente tão rara.

Quem é contra o aborto tem de ser, por uma questão de coerência, contra o casamento gay, pois o casamento gay constitui, na prática, um aborto de uma ou mais vidas que poderiam ter nascido de relações heterossexuais que não aconteceram. O direito à não reprodução deve permanecer exclusivo dos eclesiásticos de ambos os sexos e enquadrado no âmbito do voto de castidade a que se submetem.

Quem é pela reprodução artificial, não pode ser contra o aborto, pois sabe-se que a reprodução artificial tenderá cada vez mais a fornecer fetos a preço competitivos para alimentar o mercado do aborto-na-hora.

Agradece-se a inclusão da preocupação pelo fomento da economia, uma vez que ultimamente tem havido uma dispersão total na discussão deste tema com os alibis do "bail-out a bancos falidos por gestão criminosa com dinheiro dos contribuintes", "despesismo público" , "políticas de austeridade em contexto de recessão que levam a mais recessão" e outros temas superficiais. É sabido que os homossexuais que se casam costumam passar a lua de mel em sítios como São Francisco, Mikonos ou Nova Iorque, levando a uma fuga de capitais para os paraísos homossexuais.

Basta de hipocrisias típicas dos sectores ditos "progressistas" que dizem defender a família, a vida e a natalidade com medidas espúrias como: "apoio social à família", "livros escolares baratos", "promoção do emprego jovem", "saúde acessível", "promoção do mercado da habitação" e outro tipo de cortinas de fumo nas quais os jovens se escudam para, ao invés de povoar a Terra ou seguir uma fértil carreira eclesiástica, optam pela homossexualidade, contraceptivo, aborto e/ou reprodução artificial para terem um feto que possam abortar. Defendamos o futuro! 

11 comentários:

alf disse...

Quero ter a honra de ser o primeiro signatário deste manifesto de apoio ao combate do aborto, dos maricas (e sobretudo a perseguição de pessoas que lêem mesmo os livros, tipo com um lápis, papel, tirando notas e levantando às vezes a ignominiosa cabeça da folha para assimilar - ó suprema infâmia - e refletir - ó ímpia e contumaz inclinação - sobre o argumento do autor) não esquecendo a luta contra a reprodução artificial de pessoas que possam eventualmente pensar em não querer fazer da sua pilinha um martelo pneumático orgânico no combate a essa gigantesca pedra - a crise económicóóóóó-financeira - por não se julgarem capazes - (fracos, fraquinhos, maricas) de atacar o problema do desemprego, da falta de empreendorismo, e da corrupção generalizada, por meio do lançamento de cabeças no curral, uma técnica extraordinariamente fértil inventada por essa instituição respeitável - o caos mental -, até porque segundo julgo saber, os países africanos têm tentado com bastante afinco, sucesso e desenvolvimento psico-social, pois parece que há neste momento uma fuga generalizada de Europeus e Americanos a caminho da Etiópia, do Zimbabué, do Quénia, sem esquecer a Nigéria, essa indústria de solidariedade intergeracional e fomento da economia.

Ricardo disse...

Realmente o Rui Gomes da Silva é um gajo cheio de virtudes.

D.S. disse...

Que asco de gente. Todos sabemos que o casamento heterossexual e' e sempre foi um poc,o de virtudes.. Ai.

Anónimo disse...

E pena de morte para um membro do casal que seja infiel.

Peppy Miller disse...

Quem assinou essa petição ou está em vias de a assinar deve estar com a mente um tanto corroída. Incoerência: aborto, casamento gay e reprodução artificial tocam em âmbitos tão distindos e que em nada se encontram relacionados. Eu possso ser contra o aborto e ser a favor do casamento gay. Posso ser contra o casamento gay e ser a favor da reprodução artificail e contra o aborto. Posso ser uum número possivel de combinações com essas permissas mas não contra as 3 ao mesmo tempo e que ao ser contra uma delas seja, literalmente, contra as outras duas. A meu entender estão a querer levantar alguma polémica a nível político.

Maria D Roque disse...

Se eu fosse contra o aborto, não falava com uma data de gente... Este esquerdismo subliminar é seguramente a Plaftização do Tolan ! Yeah !

foudasse! disse...

temos monárquico
depois de manuel fúria nos lilazes do campo já parece uma epidemia

Anónimo disse...

Eu cá também sou contra tudo. Aborto? Sou contra. Casamento homossexual? Contra. Reprodução medicamente assistida? Contra outra vez. Educação sexual nas escolas? Contra. Sexo antes do casamento? Extremamente contra. Sexo depois dos 60 anos? Contra. O quê? Contra. Sou contra. Já a minha mãe dizia que eu era do contra.

Anónimo disse...

O casamento gay não é aborto de uma ou mais vidas que poderiam ter nascido de relações heterossexuais que não aconteceram:
1. Eu sou heterosexual e poderei não ter filhos. Isso é abortar os filhos que poderiam nascer?
2. Homosexuais podem ter filhos biológicos, de várias maneiras e feitios, desde as mais "naturais", isto é , enganarem 1 hetero (homem ou mulher, dependendo dos casos) para engravidarem ou a engravidarem, às mais artificiais (reprodiução artificial, adopção, etc).
Desde quando é que ter a lua de mel no estrangeiro é fuga de capitais? Qualquer casal (gay ou não) que tenha dinheiro para tal, normalmente vai para fora...
Sinceramente, há uma grande mistura de ideias neste post, que espero sinceramente seja irónico...
Tudo o acima referido, posso não concordar mas respeitoa opinião. Já ser contra a procriação medicamente assistida é que não consigo compreender! qual a razão para que não se possa ajudar um casal desesperado para ter um filho? Não consigo entender!!!
Ana

Tolan disse...

isto acontece sempre que faço um post deste género, aparecem pessoas vindas não sei de onde que não detectam ironia, mesmo a mais óbvia. E depois o post circula por mail ou facebook, com pessoal a dizer "olha-me este anormal" e depois vêm cá, comentam... enfim...

Tolan disse...

caramba, é que nem é subtil... nem o César das Neves diria "sabe-se que a reprodução artificial tenderá cada vez mais a fornecer fetos a preço competitivos para alimentar o mercado do aborto-na-hora. ".... -_-