terça-feira, 8 de janeiro de 2013

também faço poesia

tu nunca tens nada

 tudo é passageiro e fugaz

 a vida escorre-te por entre os dedos

 como a água da nascente

 resta-te ser a estrada

do que passar por ti

como o esquilo do bosque

 espalmado no asfalto

 pelo pneu do camião

 do amor




(é só meter muitos parágrafos!)

4 comentários:

RCA disse...

:)
Isto por aqui está cada vez mais "and now for something completely diferent".

Maria D Roque disse...

E o livro, e o livro ?????

Peppy Miller disse...

Quando o amor é "como um" camião está tudo um bocado para o lixado!!!

euexisto disse...

:)

boa malha