sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

a moral do Polegarzinho, explicada

Sinopse da wikipedia:

Um pobre lenhador tinha sete filhos, e o caçula era tão pequenino que o chamavam Pequeno Polegar. Mas, apesar do tamanho, era um menino muito esperto. Como a Europa passava por um período de muita fome, o pai decidiu abandonar os filhos na floresta. Depois de muito andar, as crianças avistaram um lindo castelo e para lá se dirigiram em busca de abrigo e alimento. Um ogro malvado, que ali residia, resolveu que iria devorá-los. Mas Polegar, percebendo a intenção do malvado, durante a noite, trocou o seu chapéu e os chapéus dos irmãos pelas coroas das filhas do ogro, que as devorou pensando que fossem os rapazes. Eles tiveram então que fugir do castelo, e o Pequeno Polegar calçou as botas encantadas do ogro enquanto ele dormia, e assim ajudou os irmãos a voltarem para casa. Com o auxílio das botas de sete-léguas, Polegar trabalhou para um rei, conseguiu muito dinheiro e pode finalmente voltar para sua casa e nunca mais passaram fome.

Ok... por onde começar... Temos uns pais que, numa europa em crise, dominada por Troikas e FMIs, decidem abandonar os filhos em Monsanto, todos de uma vez, crianças que já de si eram muito pequeninas e indefesas. Penso que é uma excelente ideia advertir um filho pequeno desta possibilidade. Enfim, explicar-lhe que temos sempre a hipótese de o largar na floresta e que é bom que esteja muito agradecido por não o fazermos. Depois fartam-se de andar e vêm um lindo castelo, um castelo mais bonito que o nosso T2 em Massamá. Pois que fique sabendo que em cada castelo há uma Casa Pia. Quer comida e abrigo, mas encontra um ogro Bibi... Ao Polegarzinho não lhe bastava fugir ou esconder-se. Tem de arranjar um esquema que implique o ogro devorar as próprias filhas, por engano. É isso. Não te limites a escapar, miúdo. Se não der para a pessoa comer os próprios filhos, rega superfícies inflamáveis com gasolina, pega fogo a tudo e afasta-te da cena com explosões em slow motion atrás de ti. Precisas é de umas botas encantadas que te permitam fugir e trabalhar para um rei e ganhar muito dinheiro. É evidente que nos estamos a referir a chuteiras nike iguais às do Cristiano Ronaldo e a jogar no Real Madrid. Vê lá se fazes isso, miúdo. E depois voltas milionário para casa dos pais que te abandonaram na floresta e nunca mais passamos fome. Hmm, que tal? Bela história, hein? Dorme bem, pequenote. Vou apagar a luz agora, boa noite.

19 comentários:

Maria D Roque disse...

Moral da história : “(An unhappy childhood was not) an unsuitable preparation for my future, in that it demanded a constant wariness, the habit of observation, and the attendance on moods and tempers; the noting of discrepancies between speech and action; a certain reserve of demeanour; and automatic suspicion of sudden favours.”Rudyard Kipling

Mariam disse...

As botas da fuga deviam ser as dos sapos! :-D

Anónimo disse...

Sem ofensas, mas não me lembro da história do polegarzinho ser assim... pelo menos a versão que me contavam não metia abandono dos pais :)

Anónimo disse...

Moral do revanchismo viral, explicado.
O Tolan e demais cangalha decidiu partilhar, gozar e apontar o dedo a pêpa. Porque a pêpa quer fazer alguma coisa com o dinheiro ganho, dela, portanto legítimo. Mas ninguém diz ao Tolan nem goza com ele porque ele caga posts sobre pobrezinhos e logo a seguir sobre MAC's ou cozinha gourmet.
E essa da Casa Pia é de génio.
Gostavas que te comparassem ao Pepetela ou ao Miguel Sousa Tavares? Ou ao Peixoto?
Tira lá essa referência à Casa Pia sff.
R.

Tolan disse...

R., o teu lugar é nos comentários online do Correio da Manhã, DN, Público, O Jogo, Bola, etc. É lá que vocês se juntam todos e falam uns com os outros e com as pessoas das notícias.

Tolan disse...

anónimo, fiz copy paste da wikipedia, mas há muitas versões do conto e provenientes de culturas diferentes e épocas diferentes. Não fazia ideia que estas histórias eram tão antigas, algumas com milhares de anos.

Tolan disse...

deves ter tido uma versão já muito suavizada, não acredito que vendam esta versão hoje em dia :))

Anónimo disse...

Desculpa, mas não conheço nenhum desses pasquins. Costumo vir aqui porque vi um anúncio do teu blog exposto no quadro dos classificados do Pingo Doce, junto da Levschenko que lava chão. Ganhei pena e vim cá visitar. Afinal és só um tipo peneirento que veio da Flandres e os pais ocuparam empresas no PREC. Enfim, típico.
R.

Tolan disse...

R., recomendo-te mesmo, ias-te sentir em casa. Não faltam lá comunas e salazaristas à pancada, a falar de PREC para aqui e PIDE para acolá e muitos paranóicos à mistura. Procura notícias sobre a jonet, a pepa xavier, artigos do jc das neves, greves da cgtp etc. é por lá que costumam andar. Ou nos blogues de política, tipo arrastão, blasfémias, etc. Vais fazer amigos e inimigos que te prestem atenção num instante.

Anónimo disse...

Prefiro aqui.
R.

Tolan disse...

-_- chato do car*****... ok.

Anónimo disse...

o problema de portugal e que aqui as elites sao a nossa imagem e salazar caiu ha mt pouco tempo da cadeira. pessoas como a sra d jonet seriam uma engracada curiosidade museologica em paises normais. aqui viver com dignidade e viver acima das possibilidades. mas daqui a 20 anos chegamos la' e com sorte temos umas elites de jeito
cumps, cramos

Anónimo disse...

daqui a 20 anos chegamos a tua belgica natal caro tolan. saudacoes benfiquistas

Gala Potente disse...

O texto quase poderia ser a sinopse deste filme http://youtu.be/2rVy3RBJmNo .

Gala Potente disse...

Aliás, http://www.youtube.com/watch?v=87xG_-x4OII .

Anónimo disse...

Tolan, fomos feitos um para o outro. Não entendes?!No Blasfémias eu perco a pica toda. Aquilo é malta suburbana, sem criatividade literária, incapazes de distinguir José Saramago de Eça de Queirós ou o grande e saudoso Fiodor.
Aquilo é tudo gente que só agora conhece França ou Barcelona com as viagens low cost! Tolan! Somos uma e a mesma pessoa! Mas eu sou mais inteligente, bonito, musculado e tenho uma mulher mais boa que tu. E tu és um tipo franzino, sem barba uniforme e com queda para a Poesia. Provavelmente usas all-stars e a tua mulher usa vestidos com padrões de bola. Juntos acham que a Padaria Portuguesa está na moda e não há muito pensavam comprar uma vespa. Tolan, Tolan, Tolan...
R.

nAnonima disse...

R, muito bom :))))

Anónimo disse...

Não sei se a versão foi suavizada, mas a hostória do pulgarzinho que me contavam não tinha nada a ver com esta :) Para ser sincera já nem me lembro bem da história, mas o míudo não era abandonado ahah!

Mariam disse...

O Polegarzinho não era abandonado pelos pais que, na verdade, nem eram bem pais dele, porque eram um casal de velhotes que tinha o desgosto de não ter tido filhos e, um belo dia, inexplicavelmente, apareceu-lhes aquele rapaz com tamanho de um dedo polegar.

Quem eram os abandonados pelo pai na floresta (por influências de uma madrasta má - não admira que haja gerações inteiras a revoltarem-se contra as segundas núpcias dos pais) eram o Hansel e a Gretel.

A Dreamworks é que reescreveu a saga destes dois no "Capuchinho Vermelho, a verdadeira história" e, em vez de desgraçadinhos, fez deles dois malvados.