terça-feira, 18 de dezembro de 2012

estilo

...claro que não.
Credo, claro que não.. De maneira nenhuma..

Mas hoje vou-vos falar de moda também, e isto na sequência de um post sobre livros de culinária michelin em que fui injustamente acusado de homofilia. Há pessoas que não vêem a verdade e escondem as suas inseguranças, com discriminação. Quero-vos falar de três items icónicos, que marcaram a noção de estilo do Tolan, um estilo ímpar, que tantos tentam copiar.

Item nº1: Botinhas.
Eu gosto muito de botinhas. Usar botinhas é a única coisa que justifica o Inverno, as poças de chuva ou de outro tipo de água... Tudo começou com umas exactamente iguais a estas:


Foram as minhas primeiras botinhas, as do sapinho. Trouxe-as da Bélgica quando vim para Portugal, para uma aldeia perdida na zona oeste. Dificultaram-me a adaptação junto dos costumes locais, pois eram uma novidade excêntrica aqui, onde a borracha ainda estava a ser introduzida e a substituir lentamente as peles impermeabilizadas com sebo de porco. Claro que não as utilizo hoje em dia, passou de moda em meados dos anos 90, com o grunge, que tinha valores completamente opostos aos dos botins de sapinho, apesar dos Nirvana até terem uma música chamada Sappy.

Item nº2
O chapéu de chuva do hipopótamo.

Não era exactamente assim, mas era muito parecido. Acho estranho não encontrar uma fotografia de um igual. Este aqui, ao contrário das botinhas do sapinho, não era do meu agrado. Em Portugal os chapéus de chuva de homens eram pretos, completamente pretos, com ponta de ferro e cabo revestido a couro preto. Este chapéu valeu-me valentes pedradas a caminho da escola e o escárnio geral. Compreendo, por isso, o que é ser alvo de discriminação só por causa de cores de coisas, sejam chapéus ou calças amarelas. Felizmente, o chapéu era resistente e protegia-me da maior parte das pedradas. Excepto as orelhas (do chapéu). Eram frágeis. O meu cão, talvez para diminuir a fúria da populaça, num instinto protector, conseguiu arrancá-las à dentada.

Item nº3
 A capa de chuva do Elmo.
Era muito parecida com esta. Ah ah. Muito engraçado, não é? Pois fiquem sabendo que eu, em 1982 já sabia quem era o Elmo. Porque dava na televisão belga. Sabem quantos canais eu tinha, meus labregos? Tinha uns 30 canais. Em 1982, andavam vocês a mamar missa o domingo todo de manhã e eu tinha 30 canais de bonecada, incluindo a rua sésamo. Bélgica fica no centro da europa, ó pategos. O meu pai kitou uma antena e apanhávamos tvs de frança, holanda, alemanha, luxemburgo... Claro, para vocês era "o boneco ", "ehehe lá vem o Tolan com a gabardine do boneco ahahahaha venham ver! Era o ELMO. Não era o "BONECO"...

bah, que importa. Fast forward 30 anos e é outra conversa, não é? Ah pois. É OUTRA CONVERSA!

9 comentários:

Anónimo disse...

AAHAAHahah AHAHahahahah ahahah AAAAAAHAHAHahahahah AAAhahaah aahhh caraças... tu és porreiro... tens talento, a sério que tens... Talvez me habitue a ti. É o preço da glória. Três textos bons, um poema maldito, um video de música indie desconhecida do brooklyn e um ou dois posts sobre pobrezinhos... enfim, vivo com isso.
R.

Maria D Roque disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maria D Roque disse...

Lindo !!! Tudo !! Os links, a música, as botinhas o "popoto de chuva", o Elmo cloack ... " O que eu já me ri" contigo !!

Palmier Encoberto disse...

Estou a atravessar um momento de excitação! Também eu tenho uma botinhas do sapinho! Estão na garagem da minha casa perdida numa aldeia do Oeste... juro! Tenho quase a certeza que ainda lá estão! Estou tentada a meter-me no carro para as ir buscar e dar-lhes beijinhos... quem diria... partilho as botinhas do sapinho com o Tolan... (estou, neste momento, a emitir um riso histérico)

Izzy disse...

HAHAHA! Deixa-os. Eles nao sabem o afrodisiaco que eh um homem na cozinha. Ja as botinhas...hmmm, nao.

tata disse...

Ainda estou indecisa se te classifique como genial ou como o miller que escreves lá em cima... mas a verdade é que sou viciada no teu blog... e no desse palhaço também, sabe deus porquê...

Peppy Miller disse...

"ò patego" óh tempo que não ouvia isto, tu deves ser do norte carago. rebolei a rir com este post. Acho que assutei algum colega meu que faz-de-conta-que-trabalha-muito-também. Mas eu tenho direito!!!

Tiago disse...

Acho triste referires-te aquele lugar mágico como "uma aldeia perdida no Oeste". fez de ti o parvalhão que és hoje!

margas disse...

Vais comprar isto tudo para a Júlia?