quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Sylvia Plath

Cá em casa costumamos dizer (eu e o Autor) que gaja com escrita depurada e sem adorno, comprimidos, bebida ou cabeça no forno. É muito difícil para uma mulher carregar as psicopatias necessárias e ao mesmo tempo ter a lucidez e a força de vontade exigida para as colocar em frases elegantes e com estilo. Quando são doidas são mesmo chanfradas e é tudo muito imprevisível. O Campânula de Vidro é um milagre, uns raios de luz a espreitar por entre grossas nuvens negras. E depois há aquele extra do o sentido de humor. A Plath tem um sentido de humor comovente capaz de ombrear com Twains, Salingers e Fantes.

Todas as mulheres são malucas. É muito difícil explicar a uma mulher com talento e, sobretudo, cérebro, que se ela se sentasse e alinhasse uma frase e depois outra e depois outra como um ritual diário, faria a melhor coisa de sempre. Às mulheres inteligentes falta o orgulho vazio e a vaidade infinita que existe nos homens e nas mulheres superficiais que enchem as prateleiras e as filas para a caixa. As mulheres inteligentes escrevem um bocadinho e depois fartam-se como que quem se cansa de um brinquedo.

13 comentários:

Maria D Roque disse...

Ser obrigado a ler é uma desgraça... tive uma prof. de Inglês que era obcecada pelo The Bell Jar, razão suficiente para lhe ganhar aversão. Aconselhado pelo Mighty One, prometo que vou procurar se ainda vive por cá, e dar uma vista de olhos. ;D

São João disse...

Às vezes consegues ser mesmo fofinho, Tolanito.

nAnonima disse...

(mais uma vez) gostei.

Pipoca dos Saltos Altos disse...

Tens razão, acho que se fartam de quase tudo mais depressa...

tata disse...

se as mulheres não fossem malucas, imprevisiveis, explosivas e chanfradas... que raio de graça tinha este planeta? obrigada diferença!

Anónimo disse...

Este texto deu-me pena.

Izzy disse...

Adoro o cinto dela.

Anónimo disse...

E comentários como 'adoro o cinto dela' dão-me ainda mais pena.

Desbocado disse...

Ture story... Sylvia Plath = Sílvia Plaft?

DESBOCADO!

Heart_Explosion disse...

"Campânula de Vidro" é um livro simultâneamente maravilhoso e doloroso. Adoro-o.
Não sei que edição tens, mas a da Assírio e Alvim tem uma capa genial. Colorida em tons de nódoa negra.

Anónimo disse...

adoro a forma como ela está sentada, com as pernas flectidas e tudo. dobradas mesmo. e o mais giro é que nota-se que tem pernas, apesar da saia. mas não só, vê-se que há ali joelhos. joelhos robustos, até, se virmos bem. agora o cinto, tenho de concordar com a izzy, é completamente actual. acho que está no catálogo da la redoute, deste ano, um em tons vermelho turquesa.

Anónimo disse...

este texto seria bonito, se nao fosse irónico.


A.

Ana Reboredo disse...

E porquê, Tolan? Porque se fartam?

Ana R.