segunda-feira, 24 de setembro de 2012

Martha Marcy May Marlene


Há muito tempo que não via um thriller (o género mais nobre do cinema) tão bom. Realizado e escrito por Sean Durkin, na sua estreia em longa metragem. Como dizem na imprensa especializada, fixem este nome. Um dia explicamos, eu e o Alfred, aquilo de ser o género mais nobre e exigente.


5 comentários:

Izzy disse...

Like!

Rosa Cueca disse...

O filme é bom, mas não o achei óptimo. Dentro do género está bem conseguido e arranca emoções diversas ao espectador.

Plaft, Sílvia disse...

Há nicks que não podem criticar arte.

Maria D Roque disse...

O tio Alfred ! o meu tio preferido !!!!

RD disse...

Estou f**odido contigo. Quando metes músicas ainda é naquela... perde-se uns segundos a ver uma merda qualquer e para-se em qualquer altura. Agora um filme de 1h40 que não vale um corno. Fodax!

Admito que poderia ter potencial, mas não passa disso.

E os teus posts estão cada vez mais pedantes. Que é feito do Tolan que parecia ser alguém de outro planeta? Esquece a política, isso é de pessoas comuns.