quarta-feira, 21 de março de 2012

lição de moral



Tenho um super-poder que se tem desenvolvido com a idade e a experiência. Quando tenho um impulso a minha consciência alerta-me para o erro do impulso e aparece um impulso oposto, anulando o primeiro. Estou a tender para o zero.
Estava a brincar com a história do “super-poder”, é até bastante comum, chama-se maturidade e é por isso que os homens a sério tendem a falar pouco. Eu falo muito ainda, muito, muito, muito… Às vezes não me calo.

É muito injusta a apreciação que fazem de mim às vezes mas já nem reajo, suponho que será injusta a apreciação que eu faço dos outros ao achar que me apreciam mal. Viram? Foi um exemplo da anulação de que eu falava. Tenho medo de me anular num buraco negro. Mas também descobriram que afinal havia informação a sair dos buracos negros, na forma de raios gama. Talvez possa irradiar coisas!

Estou ficar incapacitado para lidar com o mundo do dinheiro. Cada vez me custa mais. Sinto-me como um psicopata mas ao contrário, ando a dar o dinheiro como raios gama. No outro dia dei um cigarro a um pedinte que me pediu um cigarro e que depois me ofereceu um lacinho cor de rosa com um alfinente e, quando me afastava cheio de pressa, ele gritou:
ISTO FOI UMA LIÇÃO DE MORAL!

Não sei o que quis dizer com aquilo. Afastei-me com pressa e com a desconfiança de que me fosse aborrecer mais. Ele pressentiu o meu desconforto e repreendeu-me à frente de uma dúzia de transeuntes? Ou gostou do cigarro e foi um agradecimento? Ambos? Zero.

7 comentários:

São João disse...

Isso é muita bom para quando os jeovás te tocam à campainha. És tipo o gato do schrodinger, os jeovás nunca conseguem prever se tás vivo ou se tás morto.

V disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
V disse...

E eu que julgava que a idade me acrescentaria a possibilidade da soltura verbal (a tão romântica verborreia) sem quaisquer recriminações, antes pelo contrário.
Qualquer coisa do género: a partir do momento em que conto 40 anos (já começo a treinar aos 33!) é-me permitido disparatar em qualquer direcção e poder ver no rosto dos outros a procura da moral da história, da pérola de sapiência escondida...
Até aos 40 procura-se construir uma reputação para que depois possamos corrompê-la, sem que ninguém o suspeite! Perverso... Lindo!
Enfim, já estou a navegar na maionese!

A história do mendigo é demasiado David Lynch. Not a clue!

Tolan disse...

Com as mulheres é capaz de ser diferente, elas falam muito sempre.

alma disse...

Tenho algumas boas histórias com mendigos e mendigas :)
Uma das mais deliciosas foi um dia ao pé do castil em Lisboa uma mendiga pediu-me dinheiro e eu respondi-lhe com toda a verdade que não tinha (ando sempre sem dinheiro) e ela começou aos gritos MENTIROSA :)
outra, foi uma drogadita ao que lhe respondi : só dou a pessoas de idade e logo a resposta dela: Acho bem !
a mais patética foi estar ao pé do multibanco a ver o dinheiro que tinha no porta moedas:) onde só tinha 5 euros
vem uma velhinha pedir-me e dou-lhe os que tinha depois de levantar dinheiro fui a correr atrás dela e pedi-lhe para me trocar a nota de cinco por uma de dez :) foi um impulso !!
Mas o auge foi quando um mendigo habitual entrou num café e ao dar-lhe o dinheiro perguntou-me se não queria ir um dia almoçar com ele numa taberna onde era conhecido :)))
Com a minha experiência posso lhe garantir que foi um agradecimento :)

Isabel disse...

"Com as mulheres é capaz de ser diferente, elas falam muito sempre."

Isso não é verdade porque eu sou mulher e não falo muito.

V disse...

"Com as mulheres é capaz de ser diferente, elas falam muito sempre."

Essa é a nossa arma massiva de atordoamento. Funciona que é um mimo! (risos)