segunda-feira, 27 de junho de 2011

procuro emprego

Exmos Senhores,
Venho colocar-me à Vossa disposição para uma entrevista de emprego que poderá nem ser bem uma entrevista. Pode ser uma conversa. Apesar de eu ser genial, tenho a capacidade de ser humilde e sinto-me um pouco embaraçado que me queiram entrevistar e por isso ficam à vontade. Também vos posso entrevistar a vocês se quiserem.

Quero um emprego em que não tenha de pensar demais e em muitas coisas ao mesmo tempo e que não tenha reuniões. Seja qual for o emprego, só quero um em que não haja reuniões. Sei que há pouca oferta de empregos sem reuniões porque as reuniões são muito importantes para os portugueses. A Internet não chega a toda gente e a rede de telemóvel ainda é fraca e cobre apenas 10% do país e por isso é necessário transmitir informação uns aos outros em pessoa, como o Imperador Alexandre da Rússia quando se encontrava com Napoleão. Também é uma forma de combater a solidão e a exclusão que tanto mal faz nas modernas sociedades e aos velhinhos. Tudo isto eu compreendo, mas se calhar sou uma pessoa solitária por natureza.

Gostava de arranjar barcos em Peniche, por exemplo. O barco chegava com mossas e ferrugem e riscos e aquelas lapas que se colam ao casco e eu ia lá com uma faquinha e raspava bem aquilo, lavava com javisol e punha um bocadinho de cera, esfregona etc.

Gostava de uma profissão ao ar livre e no meio da verdura, mas que não seja prostituto no Parque Eduardo VII ou no Príncipe Real, que é o que toda gente me sugere quando digo que gostava de ganhar dinheiro rápido sem trabalhar muito.

Não me importo nada de ser cozinheiro, eu gosto de cozinhar e sei fazer muitas variações de massa com coisas, como atum, cavala, mexilhões. Sei uma forma de abrir as latas sem que saiam salpicos de óleo direito à pessoa que a está a abrir, o truque é não abrir a lata toda até a tampa sair, porque é quando a tampa sai que o óleo salpica.

Posso ser guarda-florestal, eu gostava e acho que tenho as qualificações para isso, ficava assim à beira da floresta e quando viessem pessoas com cigarros ou intenções de fazer fogueiras eu mandava-as dar meia volta, que fossem pegar fogo à casa deles já agora. Também sei falar com os animais e podia resolver os conflitos entre eles. Topo-lhes as manhas. Por exemplo, os esquilos fazem aquilo de vir um armar-se em engraçado à frente do urso ,a fingir que está a tocar gaita de beiços (com uma avelã) e vem outro por trás e rouba o mel ao urso que está distraído, são tipo os romenos da floresta.

Posso fazer muita coisa, se me deixarem. Posso ser nadador salvador numa praia que eu conheço e que mais ninguém conhece, ali pelos lados da Foz do Arelho, é praticamente inacessível e por isso não é vigiada ainda.

Eu quero mesmo é ser escritor mas acreditem que vou levar muito a sério o vosso emprego e as vossas ordens, desde que não interfiram muito comigo.

Atenciosamente,
Tolan

23 comentários:

Pólo Norte disse...

Eu entrevisto-te! Ahahahahahah!

biobloga disse...

tãooo português! mas com imensa graça :P ehehehe Obrigada pelas gargalhadas ;)

Tiago disse...

eu quero ser teu assessor. Serei muito bom a concordar contigo, a enaltecer todas as tuas características positivas e a esconder com vivacidade as tuas visitas a casas de meninas em Pataias (perto da foz do arelho, onde arranjaremos os barcos ou seremos nadadores salvadores).
Sou um excelente assessor, desde que não me chateiem muito.

Tolan disse...

Boa Tiago, excelente. Devíamos formar uma empresa que não chateasse muito, nem sequer os clientes. Os clientes pagavam-nos para nós não os chatearmos com nada.

Maat disse...

também quero trabalho nessa empresa! não me importo de ir morar pra lisboa.
um mundo sem reuniões seria um mundo melhor.
eu queria ser mecânica, mas toda a gente me diz que é preciso ter um mecânico na família para aprender, por isso não vejo grande futuro para mim a arranjar carros.

Tolan disse...

Então Maat, pagavam-te para não arranjares os carros, visto não o saberes fazer! É simples.

Tolan disse...

Podemos vender esse serviço na nossa empresa, "não mexer no carro que está bem assim".

Maria Papoila disse...

Cá em Angola há uma série de empregos bons para ti. Podes enviar-me o teu cv que eu faço o recrutamento e selecção. Há uma oferta que eu acho ideal e coloco à tua consideração:

Função: Matar baratas que se cruzam no meu caminho, de preferência sem que eu tenha que ouvir o famigerado "crash".

Se preferires não ser meu assalariado e ser um entrepeneur, ou lá o que é, podes sempre enveredar pela venda ambulante de assentos fofinhos para sanitas.
O mercado ainda não está lotado e parece-me que há muita procura.

:)

Maat disse...

hmmm, isso até é boa ideia, uma vez que às vezes tanto mexem que ainda fica pior. ao menos nós mantínhamos a qualidade prévia do veículo. parece-me bem, I'm in.
exijo apenas uma coisa: não-trabalhar de fato macaco (é um velho sonho de infância) e usar boné no verão. tudo azul escuro, como dita a tradição.

Anónimo disse...

Jardineiro na Grécia. Dá para ser escritor ao mesmo tempo.

clara disse...

Contratado!
É mesmo disso que estou aprecisar. Alguém anti reuniões e promto para escrever em horário de expediente.
Desanuviador, é o cargo.

Chico Zé das Microfábulas disse...

Tu procuras um emprego para quê? Nunca se aqui ouviu dizer que o Tolan tenha descedência (cá p'ra mim, a mota não pega); nunca se aqui ouviu dizer que o Tolan pagasse as quotas de familiares instalados no Lar dor Porvir dos Trabalhadores da Família Telegrafo-Postal; nunca se aqui ouviu dizer que o Tolan pagasse desmanches a irmãs ou primas de má catadura. Queres um emprego para quê? Para as contas da farmácia? Para os fraldões Lindor? Para o adesivo para a placa dentária? Vai mas é bardamerda! Tu queres um emprego? Queres um emprego para quê? Eu sei, eu sei muito bem: queres um emprego que é para foder!! Mete a escrita adonde o sol não brilha, pá! Ai que eu queria um empregozinho para poder escrever ao mesmo tempo - como se a falta de emprego te secasse a tinta na caneta (cá p'ra mim, a caneta não escreve, mas isso é outra coisa). É que não tem mistério nenhum: queres um emprego porque és como os outros e achas que estar 'empregado' é uma espécie de carta de alforria para foder, uma espécie de tónico para os colhões. É sempre a mesma merda, pá. Estes putos do caralho vêm sexo em todo o lado menos adonde ele está. Tu queres um emprego? E eu quero duas reformas, uma para a farmácia e outra para as putas. Azar dos Távoras: já não passo sem uma. Mas tu, fedelho? Tu queres um emprego para a) te sentires integrado na 1ª divisão da competição pela queca e b) teres brinquedos e paliativos suficientes para te distraires quando perdes naquele jogo. Não venhas com merdas de propósitos nobred e de 'eu não queria era que me chateassem'; assume: queres um emprego porque isso te parece um salvo-conduto para vazares os colhões. É ou não é? Apaga lá esta merda a ver se eu me importo...

Tolan disse...

O_o

errm... eu estou empregado e tenho empregos há 15 anos e daqueles com reuniões, no estrangeiro e tudo e com powerpoint. Mas em breve se calhar com a crise perco mesmo o emprego e fico na miséria como o senhor Chico Zé e depois aí vou ter muita inspiração e vou ser muito poético e verdadeiro :) mal posso esperar ^_^

é verdade que o meu primeiro emprego aos 16 anos nas vindimas foi porque queria um fato bonito para poder ir com a S. ao baile de finalistas porque gostava dela :\ e reparem que quem ficou com ela foi o N. que tinha uma DT50 e blusões de ganga da chevignon.

e também conheço casos de senhores já de idade mais avançada que até compram BMW e Mercedes de grande cilindrada para poderem continuar a gostar de raparigas, quer dizer, ouvi falar nisso.

Jibóia Cega disse...

Tolan, imperdível! ;)

Mak, o Mau disse...

Só aceito ser entrevistado para não-empregos. E com o Governo já formado e eu sem receber sequer uma chamadita para secretário de estado auxiliar de motorista cheira-me que não me safo tão depressa...

Tiago disse...

Txiii... lembro-me bem. Vindimas para o senhor A, pai do M e do H! duríssimo.
Não percebi mto bem a frustração do Sr. Chico mas tenho apreço porque escreveu muitas vezes a palavra "foder". é algo que capta a minha simpatia. por outro lado diz que (enquanto puto do caralho) vejo sexo em todo o lado menos onde ele está e eu podia era jurar que não há sexo em todo o lado onde o vejo. talvez a primeira de duas reformas me traga clarividência aos colhões...

Tolan disse...

Tiago, qual quê, foi nas do pai do N, 2 semanas a fio e numa equipa de pros que vinham das aldeias vizinhas... não que o senhor A. não fosse mais duro que qualquer outro boss, como bem sabemos :))

Maria disse...

Duvido que o Tolan cozinhe!

Tolan disse...

Difamação. Só por causa disso, vou pensar num texto...

Maria disse...

Difamação...hum, por parte de quem?

Tolan disse...

Dizer que eu não cozinho...? Sincerement... mon dieu...

Maria disse...

Hum...pois! Não me parece!

Anita disse...

Genial!
Tivesse eu uma empresa dessas e estarias contratado, sem entrevista!
Se por algum motivo conseguires um tão fabuloso emprego, espero que aceites CV's de quém por aqui passa e que tão necessitada está de um desses (já não há quem aguente reuniões e pps...)
Já agora, como pessoa caridosa que seguramente deves ser, arranja lá um biscate para o Xô Chico Zé. Assim de repente parece-me que o Sr. também está a precisar de um bálsamo. É que a crise chega a todos e cheira-me que as suas 2 reformas não estão a chegar para lhe...tratar da saúde ;)