quarta-feira, 3 de novembro de 2010

o estoiro

Tenho total empatia (só isso) pelas pessoas que perdem o emprego e ficam à rasca. Eu próprio corro o risco de me juntar a elas, como qualquer pessoa que trabalhe fora do estado e vai-me ser muito reconfortante ter a empatia dos que não perderam o emprego. Mas tudo isto, o estoiro das finanças, a ameaça do FMI, os recados da Angela Merkel e dos senhores do BCE, os discursos demagógicos dos políticos, finalmente, a vergarem-se pouco a pouco à realidade etc. é uma coisa que me está a dar um certo gozo. É como se os discursos dos políticos começassem lentamente a estar embebidos em vestígios de verdade, de realidade, de pragmatismo. O estado mental de Portugal, actualmente, está melhor, mais são, como o do alcoólico que ninguém consegue demover e só deixa de beber ao primeiro internamento no hospital por sintomas de cirrose.

2 comentários:

bluesy traveler disse...

eu continuo preocupada com a cena do leite achocolatado. como é que vou viver sem esse bem de primeira necessidade?

Ana disse...

Bluesy, o leite achocolatado vai ficar com o mesmo preço. O governo cedeu nesse ponto (produtos alimentares com taxa reduzida).