sexta-feira, 16 de julho de 2010

A tasca

(nota prévia, isto não é a merda da tentativa de um poema, é um texto com parágrafos a mais)

Há uma tasca
na minha rua
a comida
tem sal a mais
os bolos são secos
os pasteis ocos
a sandes de panado
é igual a todas
as sandes
de panado
uma merda
o serviço
é lento
o dono
é baixo e surdo
é frequentada
por bêbados casados
e um tipo
com uma doença de pele
que o faz parecer
o freddy krueger
as iscas com ovo
vêm sem o ovo
o dono grita
para a cozinha
"falta o ovo!"
ouvem-se
protestos
da mulher
"não me disseste que era
com ovo"
mas no menu
diz
"iscas de porco
com ovo"
a tv é pequena
dá futebol
o dono traz sempre
um paposeco
miserável
em todas as refeições
o paposeco mete-me dó
tenho tanta pena dele
que o como
como se fosse
o pão de Cristo
a sopa vem com
sal a mais
as iscas nadam em óleo
todos nadam em óleo
a cerveja é boa
uma mosca observa-nos
uma rajada de ar
da porta
entra uma rapariga
bonita
de minisaia e um cu
firme
os bêbados olham
apáticos e tristes
veio comprar tabaco
vai-se embora depressa
ter com o namorado
um beto
que espera lá fora
com um cão bonito
preso pela trela
adeus adeus
mas que bonito era o cão

1 comentário:

bluesy traveler disse...

Ia jurar que conheço essa tasca...