quinta-feira, 6 de junho de 2013

conduta incorrecta

Por motivos que não interessa, tenho lido processos e testemunhos de prisioneiros nas cadeias portuguesas. A maioria é dramática, o cenário parece ser infernal para os presos, mas também para os próprios guardas que trabalham em condições difíceis. Há dias, contudo, apanhei um processo disciplinar online bastante particular, de que transcrevo aqui uns breves trechos que resumem as 13 páginas do processo,  alterando nomes e ocultando datas (apesar de estar disponível online, digitalizado, não sei porquê):

Factos participiados:
(...)
No dia XX de XX do presente ano, pelas 14:27, no decorrer de uma revista por palpação efectuada ao recluso Manuel António [nome fictício] no átrio de acesso à ala do piso nº2, antes de ser encaminhado para uma visita especial, teve um comportamento menos próprio ao dar um 'peido' no momento em que o guarda Artur [nome fictício] estava a fazer a verificação aos membros inferiores. Ao fazê-lo o recluso Manuel virou ligeiramente a cara e fez uma expressão de gozo para o guarda Artur.
(...) 
O guarda Joaquim [nome fictício], que acompanhou a revista não ouviu mas detectou o cheiro e viu o recluso virar a cara para o guarda Artur fazendo uma expressão de gozo ao sorrir.
(...)
O recluso tem o dever de adoptar uma conduta correcta para com um funcionário no exercício das suas funções, nos termos da al d) do art. 8º. Como não o fez, infringiu o disposto na alinea p) do art 103º do CEPMPL
(...)
Do presente relatório e das provas carreadas resulta inequivocamente que o recluso Manuel António no decorrer de uma revista teve um comportamento menos próprio ao dar um "peido" no momento em que o guarda Artur estava a fazer a verificação dos membros inferiores, revista essa que é feita nos termos legais e regulamentares e matéria esta que é devidamente tratada no relatório da Sr. Instrutora e que dá-se aqui por integralmente reproduzida.
(...)

16 comentários:

São João disse...

Sobre esse assunto não te esqueças de ler a LUX desta semana: a Sara Norte saiu da prisão e diz que vai escrever um livro sobre as condições de vida nas prisões.

a.i. disse...

o que é triste é que se gastem recursos humanos em fazer esses processos instrutórios por ninharias como essa de um peido gozão

Izzie disse...

Estou francamente desapontada por terem grafado "peido" quando podiam ter feito uso da expressão ventosidade anal.

Tolan disse...

epá, o processo tinha mais coisas, este "Manuel" é fresco. Também recusou a revista com pente ao seu cabelo.

Eu gostava era de conversar com alguém que esteve preso ou foi guarda em Monsanto. Alguém que não seja perigoso para a minha integridade, digamos assim...

manuel a. domingos disse...

dei aulas no EP de Caxias. se precisares, diz

a.i. disse...

tenta falar com algum amigo teu que seja advogado e que tenha algum cliente que não se importe de quebrar confidencialidade contigo...

Olha uma coisa lateral do teu tweeter : "músicas com assobios nos anúncios " - como aquele da Worten? esse assobio foi descaradamente roubado aos Pinto Ferreira, autores do violinos no telhado, e a mesma Worten recusa-se a pagar direitos de autor. Por favor não desejes tanto mal como estes lindinhos deixem de fazer músicas como esta:
https://www.youtube.com/watch?v=FtbQMYhqtPU

Teresa disse...

Conheces este acordão?

Acordão da Relação (Ac. de 17/10/89 R. Évora) " de imediato o réu dirigiu-se novamente ao ofendido e disse "se queres falar comigo vem cá abaixo" e levantando uma das pernas largou uma ventosidade anal".

a.i. disse...

haha, o Tolan se anda a ler "pecessos" há-de chegar àqueles lindos de injúrias entre vizinhos em que a gente aprende uns nomes muito jeitosos para chamarmos uns aos outros quando estamos zangados ... (nesses processos tem mesmo de se transcrever o que foi dito, porque é precisamente o que foi dito - os palavrões - que são a matéria que está a ser julgada)

Cuca disse...

As condições nas cadeias portuguesas são desumanas e uma das coisas que me faz alguma confusão é o pouco que se fala nisso.

Maria D Roque disse...

Com tanto corrupto por aí á espera de julgamento, preocupa- se a justiça portuguesa em acrescentar aos processos motivos de m*rda . Acrescentou algum tempo á sentença, ou só ao ar que respiravam ?

a.i. disse...

Tolan, lembrei-me onde podes tentar contactar com presos: liga para a aministia internacional portugal , eles têm uma secção que recebe precisamente as queixas dos presos e devem ter um ponto focal no sistema prisional.
Tá aqui o site:
http://www.amnistia-internacional.pt/

Cuca disse...

Maria, o excerto não é de um processo crime, é de um processo disciplinar. E o assunto parece irrelevante, mas em meio prisional não é. A disciplina faz parte da coisa.

Maria D Roque disse...

Ahhhhhhhhhhhhhhhhhhh c !!! Obrigada Cuca !!

Tolan disse...

Ia responder, obrigado Cuca.
A.I., obrigado pela sugestão.

Tolan disse...

...o que eu procuro mesmo é alguém que tenha estado na prisão de segurança Máxima de Monsanto. Pago uma mariscada no Ramiro a essa pessoa, se me responder às perguntas.

Cuca disse...

ahahah
Noto que escolheste o restaurante mais cheio de Lisboa :)