terça-feira, 5 de fevereiro de 2013

un sentido del lugar

Uns conselhos para escritores, do Sebald (em castelhano), link deixado numa caixa de comentários por uma simpática leitora. Nem de propósito, ando a ler contos de Nabokov, uma leitura intermitente que não gosto de gastar toda de uma vez; e ele é um mestre supremo na elegância com que faz isto:

Necesitas situar las cosas cuidadosamente en tiempo y espacio a menos que tengas buenas razones [para no hacerlo]. Los autores jóvenes a menudo están demasiado preocupados haciendo que las cosas avancen, y no lo suficiente por lo que pasa alrededor suyo. Un sentido del lugar distingue un fragmento de escritura. Puede ser un destilado de lugares distintos. Debe haber una muy buena razón para no describir el lugar.
 
Isto é um dos obstáculos que o bom blogueiro experiente enfrenta quando se aventura fora de blogues, em ficção de conto ou romance. No blogue é permitida a ausência de qualquer referencial de espaço e tempo. As apresentações estão feitas. O formato exige intensidade, mais do que textos curtos, com um encadeamento quase sem respiração e pausas para situar o leitor. O próprio sentido de tempo global, por exemplo, o encadear de posts em locais e momentos sucessivos (uma espécie de novela em posts), hostiliza qualquer leitor que lá apareça caído do céu: dá a sensação de ser algo opaco e autista e num blogue isso é fatal. Esse encadeamento surge com naturalidade, pelo dia a dia do blogger. Se agora, à distância, lermos de enfiada as melhores reflexões de sportinguistas nos seus blogues de futebol nos últimos 4 ou 5 anos, podemos ver o pathos de uma boa tragédia grega. Contudo, o bom post é sempre independente do post seguinte e do anterior, mesmo que se lhe refira: é um bloco de texto semelhante a uma peça de lego que pode encaixar noutras peças.

E isto, que funciona tão bem em blogue...
 

... é complicado de usar num romance (apesar de não ser completamente impossível).

11 comentários:

Peppy Miller disse...

andou alguém a "fazer-te a folha"?

Margarida Alegria disse...

Os textos em blogues dispensam esse tipo de enquadramento, tantas vezes, porque estão presos a um dado segmento de tempo que são partilhados por quem lê.
Há desabafos sobre situações, comentários a fait-divers que andam pela blogosfera ou pelas notícias e na altura todos entendem do que se fala.
Mas isso acaba por ser um perigo para quem quer treinar outro tipo de escrita.

Quem quiser coligir os seus belos posts de outrora,por exemplo, repara que muitos vão precisar de um enquandramento, para que mais tarde sejam entendidos.
Ao dispensar-se a localização espacio-temporal nos posts, ganha-se em espontaneidade, o que é bom em caso de "pensamentos soltos", mas pode perder-se em termos de universalidade e de comunicação, sobretudo se se estiver a fazer uma narrativa.
Por isso, sim, são escritas diferentes, ou podem não ser, pois não há só uma maneira de se escrever blogues. Isso é o que certos "peritos" em blogs gostariam de impor, como padrão, tal como há uma miríade de livros a ensinar-nos as 10, 100, 101... "regras " básicas para sermos felizes.
Nota (para outros comentadores): não fui eu a comentadora enviar tal excerto do Sebald.

Tolan disse...

Margarida, eu nem falei nos blogues de actualidades ou relacionados com isso, nem sequer entre no campeonato. E sim, concordo, aliás, tenho 10 anos de blogues, um espólio de 3 mil páginas... Acho que será algo com interesse dentro de duas décadas. Por exemplo, acho piada a ver jornais dos anos 90, 80... Acredito que o mesmo sucederá aos blogues dentro de décadas. Serão um eco do nosso tempo.

Tolan disse...

Peppy, não percebi? :) fazer-me a folha?

Lia Ferreira disse...

Gaita! Tinha esse gif guardado...

Fada Sininho disse...

Esse gif é genial! (o texto tembém, claro)

Factos de Treino disse...

Caríssimo, vim cá parar por mero acaso e só te quero dizer uma coisa... Escreves nas horas!

Andei a passear por aí para ver o que raio é isto da blogosfera, quem anda aí, a dizer o quê e a tentar fazer um "quem é quem". E o prémio da noite é teu.

"Outra loiça". É o que se costuma dizer.

PS: Ser eu a dizer que escreves nas horas, infelizmente para ti, não é grande elogio. Mas é sincero.

Peppy Miller disse...

Quando quis dizer "fazer-te a folha" foi mais no sentido de perceber se alguém te está a tentar desanimar de lançar o teu romance ou então a "lançar postas de pescada".
Se calhar entendi mal. O que também pode acontecer dado à dose de cansaço que neste momento me encontro ;/

Peppy Miller disse...

Quando quis dizer "fazer-te a folha" foi mais no sentido de perceber se alguém te está a tentar desanimar de lançar o teu romance ou então a "lançar postas de pescada".
Se calhar entendi mal. O que também pode acontecer dado à dose de cansaço que neste momento me encontro ;/

Maria D Roque disse...

Estava convicta que te regula as por...nada... Só pelo teu instinto genial...

Tolan disse...

*cora*
Ora essa Maria, no blogue, a única regulação que faço prende-se com o conteúdo disponibilizado ou a disponibilizar :) quanto fico farto de mim tungas, mudo a agulha, o que acontece muita vez. Só estou a constatar como as coisas são, tenho blogues há 10 anos :)) é tudo muito espontâneo e sempre que tentei que não fosse, fartei-me de mim próprio muito rápido.