segunda-feira, 26 de novembro de 2012

isto está mesmo mal

O DN está a disponibilizar contos gratuitos de autores portugueses: João Tordo, Luísa Costa Gomes, Rui Zink, Inês Pedrosa. Hmm.. Parece-me tão tentador como ler cadernos de publicidade do Expresso. Não queria ser mauzinho porque a minha aspiração de vida é ser colega destas pessoas e participar em conferências com elas sob o tema «A Literatura Portuguesa  e o seu Papel na Sociedade Contemporânea - Reflexo do Tempo ou Universo Paralelo?» e então tenho-me contido. Mas hoje li isto: «Depois de Pedro Mexia, na quarta-feira, será a vez de Fernando Alvim.» Jesus Cristo Virgem Santíssima... eu tento, eu juro que tento...

17 comentários:

Catarina disse...

Obrigada!
Alguem que me entenda.

(O computador esta sem acentos, desculpa.)

Isa disse...

gostei do recurso às expressões religiosas. de resto, nada temas, quando fores famoso, tenhas ou não dito mal dos colegas, eles colar-se-ão a ti que nem lapas.

Pedro Góis Nogueira disse...

As lapas é uma boa imagem. Fora isso é a comédia. Bem foleira, mas ainda assim, uma comédia.

Pedro Góis Nogueira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Pedro Góis Nogueira disse...

Melhor que isso só mesmo o Peixoto na Coreia do Norte a escrever sobre a policia que não o deixou ver nada. Mesmo muito à frente, ainda se consegue promover melhor que os cadernos do Expresso..

Anónimo disse...

Não percebo o ódio ao Fernando Alvim.
R.

Anónimo disse...

gosto do rui zink. já li e gostei. não posso fazer nada contra.

de resto concordo.

o fernando alvim é um humorista/dj. porque não há-de ser humorista/dj/escritor de contos? vocês complicam bué.

Tolan disse...

O Alvim é humorista?

Anónimo disse...

Fernando Alvim, 37 anos, é radialista, é humorista, é empreendedor.

http://p3.publico.pt/actualidade/media/1502/fernando-alvim-vai-lancar-speakytv-uma-televisao-online

a internet em geral e o jornal publico em particular dizem que sim. eu acredito.

Izzy disse...

Deixa la Tolan, quando fores grande e figurares num painel literario desses, ha-de haver um Tolan 2.0 na blogosfera a dizer coisas do genero: "Fulano-de-tal (inserir nome verdadeiro de Tolan) eh escritor? Jesus Cristo, Virgem Santissima!" That's when you know you've arrived!

Maat disse...

alvim escritor... há tantas boas!

Tolan, nome perfeito para a conferência. estás contratado!

Joana disse...

Não colocaria João Tordo no mesmo saco que os restantes. Li apenas As 3 vidas e O Bom Inverno e apreciei bastante, especialmente o último.
Mas publique o seu livro, faço gosto em comprá-lo e terei o deleite de dissecá-lo parágrafo a parágrafo. Julgo que, pela forma tão cáustica como critica a nova geração de escritores (a despeito de Peixoto, partilho da mesma opinião), será certamente capaz de fazer melhor e superá-los.

Maria D Roque disse...

Exemplo dum programa do Alvim que seja ou tenha sido muito bom....ââââ.... não me consigo lembrar agora, mas vou procurar no google....

Anónimo disse...

O Alvim é o paradigma do chico-espertismo saloio promovido a seja lá o que ele é, que é menos ainda que o amigo Markl

Anónimo disse...

só quero reforçar a ideia de que rui zink é bom. eu pelo menos gosto. não vamos meter tudo no mesmo saco sff.

Tolan disse...

Com certeza. Eu gosto do Rui Zink (fora de brincadeiras) embora nunca o tenha lido ainda. Gostei muito de ouvir numa entrevista. Lembro-me que ele disse que um curso de escrita criativa servia mais para ensinar pessoas a ler (e ele dá cursos) e que muita gente mete na cabeça que quer ser escritora e depois passa (suponho que nas aulas de escrita criativa o que não falte são pessoas que querem ser escritoras e que depois lhes passa). Gostei da ironia dele sobre esses temas. Também simpatizo com o Pedro Mexia, confesso. Como poeta não sei porque eu não leio poesia como deve ser, mas ele escreve muito bem e é uma pessoa muito inteligente.

margas disse...

Eu subscrevi esses contos e estou bastante satisfeita! Obviamente vou ignorar o do Fernando Alvim (que até descredibiliza tão brilhante acção do DN) por não o considerar um escritor! Mas como lá está o Rui Zink (esse grande senhor!) tudo é perdoado!