terça-feira, 18 de setembro de 2012

o direito à indignação também se conquista

O jovem português do século XXI não é uma vítima. O jovem deve revolucionar, fazer, destronar, destruir, criar, eleger, candidatar, questionar, pensar, agir. Deixemos as jotas entregues aos jotas. Temos de criar dois novos partidos:

Um de esquerda, talvez fundado no movimento do Rui Tavares e por ele liderado e que teria potencial para absorver a parte boa do BE e do PS e um partido liberal, mas um a sério, feito de gajos muito competentes nas diversas merdas e com um manifesto muito claro e racional e que contratasse alguns ex-militantes do PCP só para organizar as coisas como deve ser, tipo mercenários profissionais.

9 comentários:

Maria D Roque disse...

Sabe que para as "peças de museu" tipo eu e muitos que tal ( e somos mais do que muitos...), "virar à esquerda" é uma ideia complicada, se bem que no íntimo a reconheçamos necessária...
Se tiver paciência e tempo, gostava de saber a sua opinião sobre :
http://www.youtube.com/watch?v=HMOdcijvk2Q

RCA disse...

Ora aí está, 100% de acordo. Para dar seriedade à coisa e fazer com que aconteça qualquer coisa, só mesmo o PCP. Convém é depois calá-los, não vá o diabo tecê-las e quando dermos por ela o Pingo Doce está nacionalizado.

Tolan disse...

Maria, vi e partilhei, mexeu muito comigo.

Tolan disse...

RCA, se lhes dermos vodka conseguimos aplacar-lhes os instintos revolucionários.

Tolan disse...

aplacar-lhes existe? é tarde, bebi um bocado. E não fumei.

Bolachas disse...

Tolan ao poder. Concordo plenamente.

Bolachas disse...

Tolan, se tiver tempo, veja se corresponde:
http://oblogdabolachas.blogspot.pt/2012/09/os-meus-blogs_19.html

Tolan disse...

Ahah :)) só se for o futuro próximo, há muita coisa que faz sentido. Mas a barba não.

Ouriço-Cacheiro disse...

contratá-los sim, também par assar sardinhas nos intervalos.