segunda-feira, 9 de julho de 2012

mais bem disposto

É verdade, não cumpri a promessa de escrever todos os dias, quebrei logo  a promessa no dia a seguir. Isto de se fazer promessas cria muita ansiedade. É sempre melhor quebrar as promessas rapidamente do que ficar a anhar muito tempo para depois quebrar na mesma, numa altura em que toda gente se habituou à promessa e a levou a sério. Os políticos aprendem isto na escola de políticos. A escola dos políticos é muito boa, dá competências para governar o país e 32 equivalências (no mínimo) em qualquer curso. Há bastantes médicos que fizeram a escola de política. "Tome estes comprimidos que vai ver que fica bom" e o paciente "obrigado doutor!" e uns dias depois "lamento muito, mas temos mesmo de lhe amputar qualquer coisa ou morre. Se calhar um braço. Ou os dois, pelo sim pelo não. A culpa não é minha, o médico anterior é que se enganou, amputou-lhe as pernas, um disparate nestes casos..."

Entretanto, eu e a Plaft temos desenvolvido telepatia conjugal e ganhamos todos os jogos de tabuleiro com amigos, até contra gémeos que supostamente têm estas coisas assim genéticas. Se jogamos ao pictionary ela faz um risco e eu digo "seringa" e acerto. Se jogamos à mímica eu faço assim com os braços para cima ela diz Homem Vitruviano, Leonardo Da Vinci, 1490, nem preciso de fazer os braços na diagonal e para o lado. Já aconteceu no tabu a palavra ser Robbie Williams e ela só diz "homem da terra de sua majestade" e eu digo logo Robbie Williams e acerto. Porque não dizer Elton John ou David Bowie? Mistério. Mas é assim que as coisas são, para quê questionar?

Também tem os seus lados negativos, esta coisa da telepatia conjugal porque podemos ter discussões sem falar. Às vezes estamos no sofá a ver um filme e ela resolve provocar-me mentalmente por causa de uma coisa qualquer que a aborreceu, como ter-me esquecido que ela fazia anos ou pegar fogo (sem querer) à blusa preferida dela por causa de um pequeno percalço na execução de um flambée na cozinha, e eu respondo-lhe da mesma moeda e ficamos assim a olhar de lado um para o outro. Só que aquilo vai acumulando e às tantas ficamos mesmo zangados, sem sequer falar, um suspira e o outro abana a cabeça. O raio de telepatia é mais ou menos 10 metros, a partir daí o sinal fica mais fraco. Se nos afastarmos um pouco, podemos interromper discussões. Só que a casa é pequena e ela tem de ficar na varanda da sala e eu pendurado no estendal da roupa que fica do outro lado da casa. A alternativa é usarmos os capacetes de folha de alumínio, não é mau, mas também prejudica a imagem na televisão, faz assim uma espécie de interferência. 

3 comentários:

Isa disse...

tu és giro, Tolinhas :)

Ouriço-Cacheiro disse...

tenta quebrar promessas por telepatia.

Carla Surpresa disse...

Tu és maluco. Adoro este blog!