quinta-feira, 19 de abril de 2012

Portugal é muito confuso

Estou lentamente a metamorfor... metamoforsear... transformar-me numa pessoa de esquerda. Cheguei ao ponto, vejam só, em que começo a achar ligeiramente errado o estado (no fundo eu, vocês) comprar o BPN assumindo um buraco de 6 mil milhões de euros, sendo posteriormente enrabado pelos angolanos do BIC e depois, no caso do BCP, estar em vias de injectar uns mil milhões (meus, vossos) mas sem o nacionalizar, sem o "comprar" como acontece em qualquer país de esquerda que se preze (por exemplo Inglaterra, onde o governo socialista inglês tomou conta do Lloyds e meteu lá o socialista Horta Osório). Ou seja, se bem entendo, só compramos bancos que faliram de forma catastrófica e por ilegalidades. Aos outros, os que têm hipóteses de se safar, emprestamos dinheiro. A injecção permitiria ao BCP sobreviver (e outros bancos, caso precisem). As acções vão valorizar a médio longo prazo visto estarem ao preço de um sms para outra rede e o book value do banco estar bem acima da sua capitalização bolsista. Era bonito que o estado fizesse um negócio em que podia sair a ganhar e privatizar o banco mais tarde e ter um lucro porreiro. Não sei, acho esquisito só fazer negócios financeiros em que perdemos ou perdemos ainda mais (recordo os menos dados a estas coisas de economia, que o "estado" é uma entidade abstracta que gere o dinheiro que vocês lhe dão). Isto significa que os donos do banco, os accionistas actuais portanto, só têm de devolver o dinheiro que o estado (nós) lá meteu com uns juros simpáticos. Se o banco for ao ar não há crise, nós os contribuintes estamos cá é para assumir o prejuízo. Os donos, compreende-se, não querem as patas do estado nos bancos deles, mas precisam do nosso dinheiro. Diz que dá má imagem ser nacionalizado e ter lá pessoas ligadas à política. Imaginaria que sim mas o BCP não me pareceu muito preocupado com a imagem quando teve lá o Armando Vara como bibelot ou aborrecido de ter accionistas angolanos que não são propriamente privados (no sentido não corrupto do termo). Estou confuso. Portugal é muito confuso. A minha esperança é que o Governo também esteja confuso. Constou-me que anda, o que é bom sinal. Temem (é ridículo eu sei) que uma coisa destas crie pessoas de esquerda ou liberais assim de repente, tipo os gremlins quando comem depois da meia noite e que isso signifique o seu fim. Vamos ver, eu gosto de ser como sou, moderado e tendo a ver-me como o representante da consciência colectiva de Portugal e como tendo o poder de 60% do eleitorado. Desde que me lembro, o partido que eu achava que devia logicamente ganhar as eleições, ganhou. Por isso sei que sou eu que decido. E no no dia em que achar que este governo deve cair, ele vai cair. Don't fuck with me.

11 comentários:

osexoeaidade disse...

Então a zoeira que sinto na cabeça de manhã não é sindroma vertiginoso...deve ser mesmo da confusão do país.
Boa, já poupei o dinheiro da consulta ao otorrinolaringologista!

Rita Maria disse...

Camarada Plaft, segue daqui beijinho repenicado. Gajo a gajo faremos a revolução.

Plaft, Sílvia disse...

Estou tão orgulhosa :')

Tolan disse...

Fixe :) Isso quer dizer que te vai passar a "enxaqueca ideológica" logo à noite? :\ E olha que procurei por todo lado na net e não encontrei nada sobre isso de mulheres que sofrem de "enxaquecas ideológicas" e falei com um amigo meu que é médico e ele também nunca ouviu falar nisso...

Plaft, Sílvia disse...

Depende... Sempre me ajudas com os cartazes, na quarta-feira?

Tolan disse...

ok... :\ mas espero que os Greve Geral sejam mesmo uma banda tão fixe como dizes que são... eu não encontro nada sobre eles, acho estranho.

Anónimo disse...

Podias ter escrito a mesma coisa com menos linhas.
Confuso.
O vosso,
.

Tolan disse...

tentei. Eu TENTO! EU TENTOOOOOO!
ljk jkl hgf uig hjk kjh iug gjh
*cabeçadas no teclado*

RCA disse...

Para o caso de restarem dúvidas que o Estado (eu, tu, eles) anda confuso, repare-se que depois de emprestar dinheiro ao BCP à taxa X%, certamente lhe irá pedir dinheiro emprestado para financiar uma qualquer empresa pública a X% + Y%. Para os mais distraídos, o Y% é o lucro que o BCP ganha ao emprestar-nos o dinheiro que nós lhe emprestámos.

Vanda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Vanda disse...

Grande post, gostei muito!
Obrigada por ajudares a esclarecer as confusões que vão por aqui ;)

Já agora, porque é que achavas que o PSD devia ganhar desta vez?

Vanda