segunda-feira, 17 de outubro de 2011

não é futebol, mas também não é ténis, nem rugby, nem snooker



podem seguir ao vivo aqui o Rip Curl Pro Portugal 2011, confortavelmente. Há três portugueses, o Francisco Alves, o Tiago Pires e o Justin Mujica.

11 comentários:

Mancebo Artista disse...

Obrigado por partilhares isto! ;)

Anónimo disse...

É o desporto mais chato que há para ser visto na TV.

Tolan disse...

Não concordo. Claro que é mais fixe visto ao vivo mas o futebol também é. Não acho que seja o mais chato.

Claro que aqui depende das condições mas as de hoje eram fabulosas, com tubos em quase todas as ondas. E depois há outra coisa que não se apanha nos clips com os highlights que é a dinâmica dos duelos, um bocado como o futebol, que também podia ser só resumido às jogadas boas e aos golos ou lances de perigo, mas que ganham outro significado quando contextualizados num jogo. Há pessoas que odeiam ciclismo por exemplo e realmente o ciclismo (que será um exemplo de um desporto que se calhar faz mais sentido seguir na tv) precisa que uma pessoa "mergulhe" na volta, nas histórias individuais de cada ciclista, no seu momento de forma... com o surf é um pouco o mesmo, penso eu.

Anónimo disse...

então arrependido do último post? o google reader é tramado...
mas ainda bem, aquela "análise" de cortes no público e no privado deve ter sido feita com umas palas dadas de brinde por abrir conta no BES, ou uma coisa assim

Anónimo disse...

então arrependido do último post? o google reader é tramado...
mas ainda bem, aquela "análise" de cortes no público e no privado deve ter sido feita com umas palas dadas de brinde por abrir conta no BES, ou uma coisa assim

Izzie disse...

Vinh aqui deixar um comentário num post que entretanto foi "despublicado", tipo, um tutorial para se o Tolan quiser arranjar um emprego "para a vida". Mas dá uma trabalheira, implica prestar provas, por vezes até entrar para categorias inferiores às nossas habilitações, e não dá viagens a S. Paulo nem carros alemães :( isso é só para quem não precisa de passar pelas tais provas e tem cartão do partido que interessa.

(acho fofinho o país estar neste descalabro, haver uma classe média em risco de passar a pobre, e os portugueses andarem mais preocupados em enfiar o dedo no olho do vizinho, em vez de exigirem responsabilidades a quem nos pôs neste estado - ou Estado?)

Tolan disse...

anónimo, se fores suficientemente inteligente para conseguir fazer isso, o que duvido, podes fazer unsubscribe.

izzie, não vou a s.paulo fazer turismo, fico fechado num hotel a fazer powerpoints e a ir de reunião em reunião. tenho tempo para jantar e beber um copo uma vez por outra. e vou por obrigação e necessidade...

Izzie disse...

Precisamente, é por obrigação e, bem frisadinho, por necessidade que todos trabalhamos. Seja num hotel em S. Paulo, seja num edifício velho sem ar condicionado, seja no privado, seja no público. Pareceu-me só que isso nem sempre é lembrado.

Anónimo disse...

Tolan, desculpa lé a o modesto q.i., mas não vou fazê-lo.
Porque me ensinaram que se aprende muito se não nos limitarmos a ler (e ouvir) o que nos agrada.

ok, fui assim um bocadinho sarcástico, mas há alturas em que achamos o disparate tão grande, que não podemos estar com paninhos quentes.

Ma não quero mal a ninguém. (ok, talvez tenha que excluir o Miguel Relvas. E alguns outros...)

Anónimo disse...

ah, e desculpa lá a insistência no comentário, mas quero esclareser que trabalho numa empresa privada, nunca fui funcionário público, nem ninguém na minha família próxima o é.
E já agora, o meu actual emprego está em grande, mesmo grande risco. Não vai durar muito

Tolan disse...

ok, no harm, sorry. Eu trabalhei no público e estou no privado e também está em risco (o carrão foi uma sobra de alguém que "saiu" digamos assim). Vemo-nos na fila do centro de emprego. :) abraço