segunda-feira, 29 de agosto de 2011

é impressão minha, ou este é o melhor desde o Michel Georges Jean Ghislain Preud'Homme?


Depois da época passada em que 88% (pelas minhas contas) dos golos sofridos, directa ou indirectamente, se deveram a Roberto, é uma espécie de euforia ver este senhor na baliza. Nem é apenas pelas defesas impossíveis que todos os guarda-redes, mesmos os maus, podem fazer às vezes (Moretto) - se bem que ele as faz mesmo muitas vezes e mesmo muito impossíveis. É sobretudo por aquele trabalho regular: as saídas aos cruzamentos, o jogo com os pés, a colocação da bola em jogo para contra-ataque, a segurança nas defesas 'fáceis', o entrosamento com os centrais e um semblante que transmite um "I AM A MACHINE AND MY COMMANDS ARE TO DEFEND THIS GOAL". Está a ser um arranque de época de Benfica forte no ataque mas com falhas na defesa e seria fatal, como foi o ano passado, ter sofrido certos golos. Teríamos sido eliminados contra o Twente e perdíamos o jogo com o Feirense, com outro guarda-redes. Espero que o seu trabalho se vá tornando mais discreto na Liga, seria bom sinal. Mas na Champions, é preciso mãos.

4 comentários:

Sãozinha disse...

Preud'Homme era filho de reis?

Tolan disse...

Parece que sim. Aquela forma de defender não era claramente da plebe.

hierra disse...

Eu acho que um guarda redes assim é um descanso! Ainda me lembro de no inicio da época passada andar sempre de coração nas mãos!

Jibóia Cega disse...

Assim de repente és capaz de ter razao. Hummmm... tens mesmo.