terça-feira, 7 de setembro de 2010

e hemingway criou a mulher

No Farewell to Arms, o Hemingway sintetiza a namorada do protagonista, a enfermeira inglesa Catherine, numa boneca que diz darling em todas as frases. Para lhe dar alguma credibilidade feminina, atribui-lhe uns toques de funcionamento errático, como variações de humor, semi-loucura e aquela preocupação pelo que o homem está a pensar: 'estás preocupado?', 'estás muito calado.', 'estás a pensar em quê?' etc. A isto se junta aquela descrição física de depoimento na PJ. E voilá, uma mulher.

4 comentários:

Luna disse...

you're pushing the boundaries...

Ana disse...

Noto que também andas assim um bocado em modo "gaja" com tanto post publicado e apagado...

Tolan disse...

Pois é, às vezes faço posts e depois não gosto deles e apago-os. Assim, quem me subscreve pelo google reader e afins fica com uma versão redux do blogue.

bree disse...

Não sei porquê, sinto que é uma sorte não apagar o blogue todo. Pelo sim pelo não, marco com estrela quase todos os posts no google reader. XD